10 ideias para trabalhar leitura digital na sala de aula

por Marina Lopes

Como incentivar o prazer pela leitura em um mundo digital? Para compartilhar experiências de quem está trabalhando com recursos tecnológicos voltados ao desenvolvimento de habilidades leitoras, o e-book Práticas de Leitura Digital em Sala de Aula apresenta relatos de práticas desenvolvidas por dez professores brasileiros do ensino fundamental.

O material é resultado de um programa de disseminação de experiências pedagógicas de sucesso voltadas ao letramento digital, que foi realizado entre fevereiro e maio deste ano. Idealizado pela startup Guten, que atua nesta área, o projeto nasceu da observação de que muitos educadores desejam inovar, mas ainda buscam estratégias de como começar. “O professor em sala de aula se sente muito sozinho. Como fazemos para ele se sentir amparado por experiências de outros professores?”, conta Danielle Brants, fundadora da Guten.

O caminho encontrado pela startup foi conectar educadores e compartilhar práticas de êxito. “O melhor multiplicador de boas experiências é o próprio professor”, defende Danielle. Por meio de uma chamada, divulgada em sites e nas redes sociais, foram selecionados 15 professores de um grupo de 380 inscritos. Durante três meses, eles participaram de um ambiente virtual, onde contaram com discussões e formações sobre leitura digital.

As discussões aconteceram por meio da plataforma Edmodo e foram mediadas por três especialistas das áreas de multiletramentos, tecnologia educacional e leitura: Roxane Rojo, Rodrigo Abrantes e Leticia Reina. “Uma preocupação inicial foi não dar aos participantes a ideia de que eles iriam fazer um curso. A gente entendeu que, para permitir que a prática deles viesse à tona e eles se sentissem à vontade para experimentar, eles tinham que ousar e buscar referências na própria realidade deles”, destaca Rodrigo Abrantes, especialista em tecnologia educacional.

Ele conta que, durante o programa, os professores tiveram que levantar informações para traçar o perfil de leitura dos alunos em ambientes digitais e comparar o hábito dos alunos com a aula que eles davam. Enquanto eles refletiam e experimentavam práticas, os educadores também tinham contato com referenciais teóricos e questões problematizadoras, que eram debatidas nos fóruns de discussão online. “A gente não está falando de tecnologia, está falando de cultura, hábitos, comportamentos e modos de interação entre as pessoas em que a tecnologia se tornou um meio”, pontua Rodrigo.

Uma das participantes do grupo foi a professora Cristina Van Opstal, da turma do 5oano da Unidade Municipal de Educação Maria Luiza Alonso Silva, em Santos (SP). “Foi muito válido porque a gente partia de uma atividade diagnóstica para saber o que as crianças já sabiam ou tinham conhecimento sobre leitura digital. Partindo disso, a gente planejava, cada professor na sua área ou realidade, as próximas atividades de intervenção”, explica a educadora, que disse já ter desenvolvido experiências envolvendo o uso de tecnologia na sala de aula.

A professora conta que um dos pontos interessantes do programa também foi a troca de experiências com outros educadores. “Muitas vezes o trabalho do professor acaba solitário. Ele fica na classe dele e se fecha, ainda mais no fundamental 1, em que passa quatro horas na sala de aula. Nesse sentido, o grupo proporcionou isso também. Eu conheci professores que não eram da minha cidade e pude aprender com a experiência deles”, conta.

Veja as experiências que estão disponíveis no e-book:

Animação coletiva em vídeo
A professora Cristina Van Opstal, do 5º ano da rede municipal de Santos, uniu o interesse dos alunos por vídeos a uma questão que a preocupava: os problemas de convivência da turma. Pensando nisso, ela utilizou processos autorais para que eles pudessem produzir animações sobre gentilezas.

Leitura digital com apoio de aplicativos online
Ao notar que a sua turma nunca tinha lido um livro digital, a professora Marcia Prioli, do 6º ano de uma escola particular do ABC Paulista, incentivou a leitura e análise de narrativas de aventura com auxílio de recursos online.

Ferramentas de pesquisa online
Quando a professora Andréa Ijano observou que seus alunos do 5o ano faziam muitas buscas na internet, mas nem sempre trabalhavam com fontes confiáveis, ela decidiu elaborar um plano de aula para que eles pudessem aprender como selecionar informações e trabalhar com ferramentas de pesquisa.

Produção colaborativa no Google Drive
Em uma escola particular de Sorocaba, a professora Vanessa Bolina, do 9º ano, utilizou ferramentas do Google Drive para estimular a escrita coletiva e colaborativa de textos.

Análise e criação de propagandas
Emília Mendes, professora do 6º ano em São Paulo, desenvolveu uma aula em que a turma fez análise de discursos publicitários e criou slogan para produtos com o aplicativo Pic Collage.

Resumos com mapas mentais
A professora Ester Schmidt, de uma escola particular em Belo Horizonte, ensinou aos alunos dos 6º e 7º anos como fazer resumos com um grau de inovação maior na linguagem. Por meio da construção de mapas mentais, ela também trabalhou com as turmas a função dos resumos.

Leitura digital de conteúdos jornalísticos
Professor de artes visuais em uma escola de São Paulo, Diego Cuesta transformou a sala de aula em uma redação de jornal. Os alunos produziram conteúdos jornalísticos e tiveram oportunidade de conhecer o caminho percorrido pela notícia antes da sua publicação.

Acesso à informação por meio da tecnologia
Os alunos do 5o ano da professora Claudia Munn, em uma escola particular de São Paulo, trabalharam a leitura de textos jornalísticos com o aplicativo Guten News associado ao livro didático.

Ferramenta coletiva Wiki
Em Valinhos, a professora Josane Batalha, do 5o ano, utilizou a ferramenta coletiva Wiki para trabalhar conceitos de energia e sustentabilidade com seus alunos. Em um espaço de leitura e reflexão, eles fizeram questionamentos sobre os cuidados com o meio ambiente.

Contos e memes
A professora de redação Ana Flávia Forti, do 6o ano, trabalhou contos e memes para desenvolver produção textual com os seus alunos. A partir da leitura de contos, eles deveriam escolher frases para uma determinada imagem.

O relato de desenvolvimento de cada prática está disponível no e-book Leitura Digital em Sala de Aula.

Fonte: Porvir

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *